sábado, 27 de junho de 2009

Os meus silêncios jamais serão perigosos

Ao instalar-se um silêncio quase absoluto em minha casa, devido ao facto da minha única companhia ser a televisão e esta ficar sem som e apresentar apenas imagem, resolvi deitar-me, mas o sono não chegou e eu decidi levantar-me e escrever sobre os meus silêncios que jamais prejudicarão alguém e serão sempre repletos de diálogo.

É quando a noite chega e os outros se deixam vencer pelo sono, que os meus silêncios se tornam mais ricos e mais íntimos. É também nessa altura que eu converso com todos aqueles que de um modo ou outro me assinalaram e de quem sinto uma réstia de tristeza ou lembrança.

No meu sossego consigo olhar com admiração o sorriso nos lábios dos outros e, desta forma transformar os meus silêncios numa coisa mais aprazível e aos quais me agarro após um dia desgastante de trabalho, aulas, reuniões, convivências por vezes difíceis de um sem número de questões e dúvidas para esclarecer.

Os meus silêncios jamais serão perigosos, porque saberei sempre divorciá-los das palavras. A minha solidão, essa sim, é que um dia se poderá converter em perigo, tão eminente, que terei de saber dominar. É uma onda de desespero que me invade com tamanha violência, que quase me corta a respiração só de pensar nisso. Apesar de todo o raciocínio e planeamento, não obstante as minhas orações, tudo afinal se restringe à falta de inteligência, de delicadeza de sentimentos do factor sorte e de estupidez.

Infelizmente o tempo não nos favorece a permanecer no caminho certo, ele continua sempre em frente, mas por vezes encontra-se coberto de pedras e pedregulhos, que se foram amontoando ao longo dos anos e da vida.

Mas nós, seres humanos e como bichinhos de hábitos que somos, acostumamo-nos e adaptamo-nos a tudo, desde que nos concedam tempo para isso.

E a casa continua silenciosa à exclusão dos sons que se agitam desesperadamente nas sombras. É uma experiência estranha, olhar para trás e recordar o passado, afinal quem não tem uma vida repleta de recordações? Umas melhores, outras piores, mas fazem parte da vida de cada um de nós. E pôr tudo isto em palavras? Não sou poetisa e todavia seria preciso um poema para descrever tudo o que sinto e penso ....

terça-feira, 16 de junho de 2009

Em jeito de rascunho

Boa noite a todos!!! Como é bom escrever no meio da correria da vida. É uma forma de esquecer os problemas e a rotina. Experimentem e verão como tenho razão.
Estamos a vinte e sete de Maio de dois mil e nove, início da campanha da vacinação anti rábica, no concelho de Cantanhede. Não sou veterinária nem pretensão de o ser, como sabem sou uma simples professora do segundo ciclo do Ensino Básico e, o meu contacto com o meu amigo veterinário, resumia-se a poucas semanas, quando em jeito de brincadeira e para meu gáudio, me perguntou se o queria apoiar nesta campanha.
E, lá fomos nós estrada fora, rumo às aldeias e aos locais onde a população em maior ou menor aglomerado nos aguardava com os seus baixinhos e engraçados animais de quatro patas. Uns de pequeno porte, ao colo, outros presos pelas trelas e coleiras, outros ainda a chegar de carro, tractor, camioneta, enfim das mais diversas e variadas formas lá se iam concentrando e aguardando pela sua vez.
Claro, que a sala de estar e o gabinete de trabalho, eram nada mais nada menos que ao ar livre e compostos pela mesa de campismo, que se montava e desmontava, consoante a necessidade. Momentos houveram em que a chuva, o vento e o sol demasiado quente, se fizeram sentir e atrapalhar o nosso trabalho, pois como devem calcular, vacinar os cães debaixo de chuva a levar com as sacudidelas da água em cima e a preencher a respectiva papelada com a chuva a cair e o vento a soprar , não representa as melhores condições de trabalho, mas a animação, a alegria, o solto do ladrir dos cães o reencontro anual do veterinário com as pessoas e a boa disposição em geral, até fazia lembrar um dia de festa e até mesmo esquecer o mau tempo.
E no meio de toda esta agitação, o médico lá ia explicando em voz alta para que todos ouvissem bem, porque se vacinavam os animais e a sua causa efeito, lá ia informando para os mais atentos, que estas são medidas importantes para a proteção contra a raiva e que esta é causada por um vírus que se multiplica e propaga via nervos periféricos, até ao sistema nervoso central, etc. etc. etc., não sou médica.........
Muita paciência e criatividade para desempenhar esta árdua tarefa, que é conseguir vacinar os cães contra a ra
iva, pois meus amigos digo-vos que não é tarefa fácil.
Quanto à minha colaboração não foi tão brilhante e preciosa como eu gostaria que tivesse sido, penso mesmo que algumas vezes atrapalhei, dada a minha falta de experiência . No entanto procurei trazer sempre um sorriso nos lábios, uma vez que não custa nada e rende muito. Um sorriso representa repouso no cansaço, coragem no desânimo, consolo na tristeza e alívio na angústia, além de ser um sinal visível de amizade. E, momentos houveram que foram estes adjectivos que eu li no rosto do meu amigo, dada a tanta falta de divulgação desta campanha e a tão precárias condições de trabalho.
Deixo ficar os meus agradecimentos por esta magnífica experiência que é para mim uma mais valia e o meu pedido de desculpas por todos os erros que eu possa ter cometido.



ADOREI !
ADOREI !
ADOREI!








segunda-feira, 8 de junho de 2009

Coisas da vida

A todos nós, seres humanos, acontecem coisas. E, a maior parte desses acontecimentos ocorrem de modo progressivo e submetem-se a regras, quero dizer com isto, que vendo bem as coisas, por um lado, são percursos do nosso crescimento, desenvolvimento e experiência, por outro lado, são análogos aos que acontecem a todas as outras pessoas do nosso género e nível etário.
De um modo geral, todos nós aprendemos a dar os primeiros passos mais ou menos ao mesmo tempo, na mesma fase; entramos na adolescência e na menarca, mais ano menos ano e, à medida que os anos decorrem e que o leque de possibilidades se vai alargando em toda a sua amplitude, continuamos a partilhar algumas comunalidades, como por exemplo o trabalho, o casamento, nascimento de filhos, desacordos familiares, profissões, morte de parentes, nascimento de netos, etc.
A esta descrição de factos, uns determinamo-los como bons, outros de maus, mas a verdade é que nos tocam a quase todos nós, pois são testemunhos prováveis, aos quais atribuímos valor e convertêmo-los em momentos-chave da nossa existência,
Mas o nosso poder é tão forte, que conseguimos transpô-los com alegria, com dor ou até mesmo sem grande consciência crítica, de acordo com a valorização que lhes concedemos e, nesse sentido é como se fossem únicos e singulares,mesmo tendo conhecimento que a maior parte das pessoas teve, tem ou terá experiências semelhantes.
Convivemos com eles como sabemos, como somos capazes e por regra, temos meios pessoais para nos defendermos e ultrapassar de modo saudável as tensões e os desgostos que vêm inevitavelmente associados.
Depois,existem casos inesperados da vida, que de tão incompreensíveis e com tamanha falta de estrutura, nada nem ninguém está apto a viver e por essa razão, se transformam num desafio, que nos levam a fazer provas de avaliação aos nossos próprios limites.
Mas, também existem, aparentemente cada vez mais, pessoas que não obtiveram uma educação para viver no mundo actual, nem treinadas para viver com as ocorrências da vida, que mais cedo ou mais tarde, costumam tocar a todos.
Por protecção em demasia ou bem intencionada, ou por particularidades muito especiais, conseguiram ir mais longe que os outros, sem disputas, sem grandes desapontamentos ou contrariedades. Mas também são elas que se destroem de forma constrangida e patética.

Ilustrações - Cartoons, Wallpapers, Screensavers, etc...


Um sítio com aplicações interessantes:
Illustrations - Cartoon Pets Wallpaper Photos by Magentic

Máscaras

Sendo o carnaval uma Unidade de Trabalho de muito interesse por parte dos alunos, estes decidiram construir vários tipos de máscaras.

A máscara é um elemento que tem sido utilizado ao longo dos tempos para várias finalidades. A tradição do seu uso remete aos ancestrais rituais pagãos, os quais usavam a máscara para se protegerem dos espiritos malignos.

A Forma da máscara é idêntica à do rosto humano.
A Função da máscara é ser adaptada ao rosto humano de modo que seja possível ver e respirar.
A forma e a função determinam que a máscara tenha uma certa dimensão e que apresente aberturas no local dos olhos, boca e nariz.
A Estrutura tem que estar de acordo com a forma.

domingo, 7 de junho de 2009

Carnaval



Módulo-Padrão

Módulo - é o elemento que serve de unidade e se repete numa composição, é portanto, o elemento gerador de uma estrutura.

Padrão - é o efeito visual da utilizaçao repetitiva dos módulos e pode ser natural ( criado pela própria natureza, ex. os alvéolos das abelhas ) ou artificial (quando concebido com elementos artificiais criados pelo homem ).


Os módulos e respectivos padrões, podem ser bidimensionais ou tridimensionais ( caso tenham ou não volume ).

Um padrão resulta da repetição do módulo e pode apresentar-se nas seguintes situações:
Rotação
Simetria
Alternância
Translação
Assimetria
Rotação- conjunto resultante de um módulo no movimento de rotação
Simetria- há módulos iguais que se dispõem de uma só vez, um para cada lado de um eixo e à mesma distância
Alternância- há pelo menos dois módulos diferentes que se repetem alternadamente
Translação- padrão organizado segundo a repetição do módulo paralelamente a si próprio
Assimetria- não há qualquer possibilidade de estabelecer um eixo simétrico

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Vitrais

O vitral teve a sua origem no Oriente, no séc. X, tendo sido introduzido na Europa na Idade Média, nas igrejas e catedrais, pois o seu efeito de luz solar provoca uma maior imponência e espiritualidade.
As técnicas utilizadas para a sua fabricação, são as combinações de vidro e chumbo, vidro e latão e vidro e fita de cobre. Para cada tipo de vitral utilizam-se materiais e ferramentas diferentes.
Neste caso os alunos fizeram um "falso vitral", começando por:
1- fazer um projecto
2- copiar com a ajuda de uma folha de papel químico para a placa de vidro
3- desenhar os contornos com tinta de chumbo, utilizando o pincel
4- pintar todo o trabalho com tintas para vitral
É se salientar que estes trabalhos foram elaborados pelos alunos com Currículo Específico Individual.


Área de Projecto

No âmbito da disciplina de Área de Projecto e, tendo como tema aglutinador da escola " pela tua rica saúde", os alunos do 5.º C decidiram pesquisar os vários tipos de doenças de foro psíquico, os quais foram apresentados à turma. Parem além disto construíram e enfeitaram embalagens de cartolina com o objectivo de fazer uma visita a um lar de idosos do concelho e, partilhar um lanche elaborado por eles. Realizaram ainda alguns presentes para oferecerem aos respectivos idosos, a fim de marcarem a sua passagem por esse centro.

Área de Projecto